Mozzarella em italiano, mozarela ou muçarela em português. O coalho de leite de búfala (e não de vaca!) fresco, esticado à mão e cortado em bolas teve origem no século 12, na região da Campânia. Para uma autêntica mozzarella, basta leite de búfala, água muito quente, as mãos de um artesão e oito horas de paciência para deixá-la esfriar. Nenhum refino ou conservante é necessário.

Seu grande segredo é o frescor, tão convidativo a um fio de azeite e a uma boa fatia de pão. A verdadeira mozarela é de fácil digestão, tem baixo teor de gordura, lactose e sal. Assim, ao contrário de muitos queijos, pode ser consumida até por quem tem propensão à pressão alta.

Mas atenção: mozarela não é tudo igual! A de verdade, como é feita aqui no Laticínio Búfala Almeida Prado, com leite de búfala, é úmida e não despedaça facilmente. Sua textura é rendada, seu sabor ligeiramente adocicado e fresco tem personalidade. Um queijo suculento, para ser degustado in natura, sem disfarces.

A mozarela de vaca, por sua vez, é mais firme e elástica. Não é tão branquinha quanto a de búfala e nem escorre nenhum tipo de líquido ao ser retirada da geladeira. Seu sabor é mais suave, mais salgado e ela aguenta melhor o cozimento.

Já a original, é extremamente rica em cálcio (tem quase 50% a mais do que a de vaca), é ótima fonte de minerais como magnésio, potássio e fósforo e, ainda por cima, é mais proteica e contém bem menos colesterol.

Aviso: não é proibido misturar leite de búfala com o de vaca para fazer queijo. No entanto, o rótulo deve indicar, assim como se foi adicionado clorofila para branquear o leite de vaca!